Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Câmara aprova aumento de cargos efetivos na Educação do Município e oposição desconfia que há motivações eleitoreiras

A oposição reclamou, reclamou e reclamou, mas embarcou com a base da prefeita de Rio Branco, Socorro Neri, na aprovação do projeto de lei que cria 113 cargos efetivos para diversas áreas da Secretaria Municipal de Educação. Os cargos não são comissionados. Essas pessoas fizeram o último concurso público realizado pela prefeitura. 19 delas serão chamadas imediatamente para trabalharem na Creche Juarez Távora, que será inaugurada em outubro. O estabelecimento terá capacidade para atender 220 crianças. A base da prefeita informou que os cargos já estavam previstos no orçamento de 2018 do Município. As outras pessoas serão convocadas pela prefeitura conforme o surgimento das necessidades.
Apesar de votar a favor, a oposição questionou o fato de o projeto de lei ser enviado para aprovação em regime de urgência e em pleno período eleitoral.
O vereador N. Lima (PSL) disse que a prefeitura tenta “empurrar de goela abaixo” e “de última hora” seus projetos.
Roberto Duarte (MDB) fez crítica parecida e afirmou que Socorro Neri “pisa no Legislativo”. “Sabe que precisa criar esses cargos há muito tempo e manda para o Legislativo às vésperas da eleição e manda a Câmara votar em menos de 24 horas. A prefeita está pisando nesta Casa, no Poder Legislativo.”
Lene Petecão (PSD) entendeu a necessidade da convocação, mas desconfia que há motivações eleitoreiras.
“Vão convidar com certeza para fazer aquela reunião.
Por que logo em época de eleição?”.

O líder do PT na Casa, Rodrigo Forneck, vê a oposição com visão equivocada sobre a lei. Ele relembrou que não haverá aumento de gastos, já que o projeto está incluído no orçamento do Executivo.
“Uma parte da oposição está com foco exclusivo no processo eleitoral, sendo incapaz de avaliar o objetivo de um projeto tão importante para crianças e famílias pobres de Rio Branco. A prefeita envia o projeto que não ampliará gastos, pois estão previstos no orçamento de 2018; não ampliará cargos comissionados, pois todos os previstos só podem ser incorporados através de concurso público. A urgência se deu pelo fato de necessitarmos convocar concursados de um processo ainda vigente para ocuparem os espaços de uma creche a ser inaugurada no próximo mês. A base vota a favor por entender que, apesar do período eleitoral, a gestão não pode parar e as crianças da creche a ser inauguradas não podem esperar.”