Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Com Coronel Ulysses na disputa pelo Palácio Rio Branco, segurança pública será tema obrigatório

REDAÇÃO CONTILNET


Terceira via 
A virtual candidatura do Coronel Ulysses (DEM) ao governo do Estado, anunciada dias atrás, vai adensar ainda mais o debate em torno da segurança pública. Foi o que ele sinalizou ao conceder entrevista ao jornalista Roberto Vaz, do site ac24horas.


Funcional
Trata-se de um tema sensível ao eleitor, acuado pela violência do dia a dia e refém da miríade de crimes cometidos por membros facções criminosas que desafiam o Estado e escarnecem das leis.

Basta
O DEM deverá se coligar com duas outras siglas – o Podemos e o Livres – na tentativa de alavancar a futura candidatura do coronel. Tião Bocalom, pré-candidato a deputado federal, cansou de ser rejeitado por seus pares da oposição. E resolveu lhes virar as costas e cuidar da vida.

Na linha de tiro
Sobre a entrada em cena do Coronel da Polícia Militar, o senador Gladson Cameli (PP) tratou de lhe dar as boas-vindas. Já o prefeito Marcus Alexandre (PT) não comentou o assunto. E a razão é simples: o petista sabe que será o alvo preferencial de Ulysses na campanha.

Tropeço
Sobre a entrevista do oficial da PM, apenas a ressalva acerca de sua a declaração, segundo a qual passará com o rolo compressor sobre os oponentes do PP e do PT. A afirmativa soou prepotente, coisa que não agrada ao eleitor.

Qualificador
Outra novidade no cenário pré-eleitoral é a disposição do advogado Sanderson Moura de concorrer ao Senado pelo PTC. Pode até não ser eleito, mas haverá – com certeza! – de enriquecer o debate.

Perdulário
Não obstante a crise, que impele o governo à inadimplência com fornecedores (muitos dos quais dispensaram funcionários e fecharam as portas), o Estado mantém 23 secretarias – com seus devidos titulares e os chamados “adjuntos”, que nada têm a fazer a não ser movimentar supersalários de R$ 19 mil.

Contrassenso
Como revelou a coluna anteriormente, Tião Viana mantém 16 assessores especiais ao custo anual de R$ 4,7 milhões (incluindo-se no cálculo o 13º salário e o benefício das férias). Para que o leitor tenha uma ideia, a Lei Orçamentária Anual (LOA) deste ano destinou, de recursos próprios, R$ 4,3 milhões à Fundação Hospitalar.

Descrédito
Com esse plantel de marajás do serviço público, não é à-toa que muitos empresários se recusam a comerciar com o Estado.

Corrida presidencial
Expressivos ou nanicos, os partidos políticos com representação no Congresso Nacional já começam a se mexer com vistas às eleições presidenciais de 2018. Alguns apostam na prata da casa, já outros almejam atrair nomes com chances de vitória.

Doria, o queridinho
O mais assediado é o prefeito de São Paulo, o tucano João Doria. Seu nome é cogitado pelo DEM, MDB, Partido Novo e, claro, pelo PSDB – em cujas prévias deverá disputar a indicação com o governador paulista Geraldo Alckmin.

Incrível Huck
Outro personagem que desponta no cenário como postulante ao Palácio do Planalto é o apresentador da TV Globo Luciano Huck. Ele tem sido sondado por alguns dirigentes partidários, entre os quais o senador Cristovam Buarque (PPS-DF).

Rede e PDT
A Rede Sustentabilidade deve ir de Marina Silva mesmo. E o PDT anuncia como pré-candidato o irascível Ciro Gomes.

Dois caminhos para Bolsonaro
Em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, o deputado federal Jair Bolsonaro deverá deixar o PSC e se filiar ao PEN – que diante a perspectiva de tê-lo como candidato em 2018 já ingressou no TSE para ser renomeado como Patriotas. Bolsonaro também é sondado pelo PTB de Roberto Jefferson.

Futuro incerto
A incerteza sobre o futuro de Lula – que pode ir pro xilindró caso seja condenado em segunda instância pela justiça, o que o impediria de concorrer à Presidência – tende a pulverizar as candidaturas dos partidos de esquerda. Nesse caso, teríamos candidatos saindo pelo ladrão…

O que não falta é dinheiro
Por falar em Luiz Inácio, a Procuradoria da República, em Brasília, requereu à Justiça Federal, nesta sexta-feira (16), o bloqueio de R$ 23,9 milhões do ex-presidente e de um de seus filhos, Luiz Cláudio.

Família abastada
Pai e filho são investigados na Operação Zelotes, que apura suposto tráfico na compra dos caças Gripen. Os procuradores querem confiscar R$ 21,4 milhões do petista e mais R$ 2,5 milhões de Luiz Cláudio.

Negociatas
Segundo reportagem do jornal O Estado de São Paulo, os lobistas Mauro Marcondes e Cristina Mautoni foram denunciados pelo Ministério Público Federal em dezembro do ano passado, acusados de negociar irregularmente a compra de 36 caças do modelo Gripen. Além disso, eles respondem por tramar a prorrogação de incentivos fiscais a montadoras de veículos.

Toma lá, dá cá
A extensão do prazo que isentava as montadoras de impostos se deu por meio da Medida Provisória 627. Em troca, segundo a Polícia Federal, Luiz Claudio teria recebido propina.

Lula, o perseguido
Não obstante todas as denúncias, suspeitas e a condenação do petista a 9,6 anos de cadeia, ainda temos que aturar a insana ladainha de que ele não passa de um perseguido político. Neste país falta honestidade e sobra desfaçatez.