Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Presidente Marciano Tiririca participa Da 1° Conferência do Plano Municipal de saneamento Básico de Acrelândia

Adriano Mendes-Acrelândia News


O presidente da Câmara municipal de Acrelândia Marciano Tiririca do PSD, participou da primeira conferência da elaboração do Plano municipal de saneamento básico de Acrelândia.

A conferência aconteceu na manhã desta quarta-feira, na quadra da juventude ao lado do calçadão da cidade e contou com a presença de autoridades locais e comunidade de organizações governamental e não governamental.

O presidente Tiririca teve a incumbência em representar o parlamento municipal nesta primeira fase da elaboração do plano de projetos e propostas para o desenvolvimento no saneamento básico do município.

Marciano Tiririca se colocou à disposição para juntos trabalhar nas questões relacionadas ao saneamento básico, para Tiririca este será um marco muito importante para Acrelândia, já que saneamento básico é saúde e  qualidade de vida em uma cidade.

De acordo com a legislação, todo município deve elaborar um Plano Municipal de Saneamento Básico (PSMB). Ele deve contemplar os quatro serviços básicos: Abastecimento de água potável; Esgotamento sanitário; Manejo de resíduos sólidos; Drenagem e manejo das águas pluviais urbanas.

Dessa maneira, pretende-se levantar um diagnóstico do saneamento básico do município, verificando as deficiências e necessidades. Assim, pode-se planejar objetivos e metas de curto, médio e longo prazo para o estabelecimento e propagação do acesso aos serviços pela população. Assim, o plano atua como uma ferramenta estratégica de gestão para as prefeituras, titulares do serviço.

A prefeitura de Acrelândia já realizou várias reuniões para tratar sobre a elaboração do Plano, a conferência teve por objetivo uma participação da comunidade na elaboração do plano municipal, com propostas e soluções através de comunidades governamental e não governamental.

É importante ressaltar que o Plano é obrigatório a todos os municípios, para todas as suas áreas (localidades urbanas, rurais, adensadas e dispersas). Há exceção para as regiões metropolitanas, que devem compartilhar a titularidade.