Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Prazo para recadastramento de aposentados e pensionistas termina na segunda-feira




Servidores aposentados e pensionistas do Estado, vinculados ao Instituto de Previdência do Estado do Acre (Acreprevidência), nascidos em janeiro e fevereiro têm até a próxima segunda-feira, 31, para efetuar a Atualização dos Dados Cadastrais.
“O beneficiário que não fizer o recadastramento terá, automaticamente, seu benefício bloqueado já no próximo mês”, alerta o diretor-presidente do Acrepevidência, José de Anchieta Batista.
De acordo com Batista, até esta quinta-feira, 27, metade dos beneficiários que nasceram nos meses de janeiro e fevereiro já fez a atualização. “Temos 2.125 servidores com nascimento registrado nesses meses. Até esta quinta [27], 1.100 já haviam efetuado o recadastramento. É muito importante que todos façam”, reforçou o gestor.
Para realizar a atualização, o beneficiário deverá acessar o Sistema de Atualização Cadastral no site www.acreprevidencia.ac.gov.br e realizar o preenchimento dos dados cadastrais. Após o preenchimento, deverá imprimir o Comprovante de Atualização e a Declaração de Vida e Residência.
Em seguida, o servidor inativo ou pensionista deverá entregar a documentação na sede do Acreprevidência, na Avenida Benjamin Constant, nº 351, bairro Cerâmica, CEP 69905-072, Rio Branco – Acre.
A entrega poderá ser feita pelo próprio beneficiário, munido de documento de identificação com foto, ou por terceiros, devendo a Declaração de Vida e Residência estar com firma reconhecida em cartório.
Os beneficiários que não residem em Rio Branco poderão encaminhar a Declaração de Vida e Residência com reconhecimento de firma em cartório por via postal com Aviso de Recebimento (AR).
Já a entrega da documentação dos militares deverá ser feita diretamente nas seções de inativos e pensionistas das corporações de origem.
A Atualização Anual dos Dados Cadastrais está prevista na lei nº 2.438, de 22 de julho de 2011, a partir de 1º de julho, e visa evitar que benefícios continuem sendo pagos, indevidamente, após o óbito do beneficiário.