Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Processo seletivo UNIP-Acrelândia

Processo seletivo UNIP-Acrelândia
,

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Vereadores e sindicato rural de Acrelândia participaram de reunião na sede do INCRA

E superintendente da divisão de colonização na Bacia Amazônica Brasileira. De José Dumont. Superintendente do INCRA-AC, Dr Eduardo Ribeiro, Chefe do escritório da terra legal Acre Maria Rosineide, além dos funcionários que compõe o corpo técnico do INCRA e terra legal.

Realizaram uma reunião da manha desta terça-feira, na sede do INCRA em rio Branco com a Pastoral da Terra e o sindicato dos trabalhadores rurais Acrelândia. Estiveram presentes os vereadores Rozeno-PSD, Ivani Vasconcelos-PSB e o presidente da Câmara Marciano Tiririca-PSD, o Dep estadual António Pedro representando a ÁLEAC.

Na Reunião foi chegado a um Acordo que o INCRA fará um levantamento técnico dentro de 60 dias para definir se os posseiros têm direitos e se os fazendeiros também tem direito a parte destas terras da UNIÃO situada  no município de Acrelândia

“Nossa missão e embargar os despejos dos posseiros nestas áreas, já que causará um caus social em Acrelândia, bem como no estado do Acre. Não ignorem se um filho do colono no futuro assaltar alguém de vocês Doutores e servidores públicos desta autarquia, já que seus pais estão propícios a perder suas posses de onde tira seus sustentos e da família”. Disse Nesio Carvalho membro do sindicato de Acrelândia.

 Na abertura das falas em seguida os vereadores Roseno, Tiririca também seguiu o mesmo Ritmo de suas falas, dizendo que o problema não é de Acrelândia, mas sim do estado do Acre e por fim do Brasil. Dep. António Pedro do DEM. prometeu levar esta situação até a comissão de Reforma Agrária da ALEAC.

Também foi questionado porque o GOVERNO do estado não se manifesta em Buscar meios para regularizar estas Áreas em Acrelândia e que isto mostra uma falta de interesse nesta situação.
A ASSESSORA da DEFENSORIA pública estadual defende os posseiros do Campo Novo entrou com pedido de medida cautelar suspendendo o despejo dos posseiros da Área conhecida como Brito, e afirmou  que vai Reforçar o pedido no MPF pedindo o mesmo tratamento para todos .