Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Processo seletivo UNIP-Acrelândia

Processo seletivo UNIP-Acrelândia
,

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Sebastião vem arrochando até produtores de banana com alíquota de ICMS, denunciam deputado Nelson Salés

Quem nunca ouviu a expressão “a preço de banana” geralmente usada para definir o preço baixo de um produto? No Acre, essa expressão ganhou contornos de drama, já que os agricultores que cultivam banana estão as voltas com a queda do preço e a escorchante alíquota de ICMS praticada pelo estado para venda da banana no município de Acrelândia.
Segundo os deputados Nelson Sales (PV) e Antônio Pedro (DEM), o governo deveria reduzir o valor do imposto cobrado aos produtores rurais de banana, especialmente. Sales frisou que com a crise econômica, o preço do produto caiu para R$ 2,50 o cacho, o que tem dificultado aos agricultores o cumprimento das suas obrigações, principalmente com as instituições financeiras.
“Ontem tivemos uma agenda no município de Acrelândia. E Acrelândia está vivendo um caos no setor produtivo. O preço da banana despencou e o cacho está sendo vendido a R$ 2,50. Ocorre que tem um tributo, o Estado cobra para quem tem nota 12% e para pessoa física 17%. O cacho da banana está R$ 2,5 e ele continua pagando a pauta de R$ 8,00”, destaca Nelson Sales.
O deputado alerta que nesse momento de crise que o município atravessa. “É importante que essa a Aleac faça um movimento para apoiar o setor produtivo. “Isso acontece com o gado, quando o preço está baixo, a pauta cai. Peço que o estado possa hoje suspender a cobrança desse imposto. Os produtores disseram que vão trazer toda banana e colocar no centro de Rio Branco”.
Antônio Pedro complementa o discurso de Sales e diz que muitos produtores estariam sofrendo sério prejuízos com a banana estragando na plantação. “Além da alíquota de ICMS, o produtor não tem para quem vender a banana. Falta uma política de incentivo para os pequenos produtores que estão enfrentando sérias dificuldades para escoar seus produtos”, ressalta o oposicionista.