Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Após rejeitar proposta apresentada pela empresa, trabalhadores dos Correios continuam greve no Acre

Os trabalhadores dos Correios no Acre não aceitaram a proposta apresentada pela estatal e decidiram manter a greve que deu início no dia 26 de abril. A decisão foi tomada durante uma assembleia geral realizada nesta sexta-feira (5), ato convocado pelo Sindicato dos Trabalhadores da Empresa de Correios e Telégrafos do Acre (Sintect-AC).


Segundo o presidente do Sintect/AC, Edson Pinheiro: “A categoria entendeu que nenhum direito pode ser retirado. E a proposta não era benéfica para os trabalhadores. Vamos continuar em greve, defendendo uma empresa pública, com serviço de qualidade para a população, além de defender os postos de trabalho”, destacou o presidente.
Uma das guerras dos trabalhadores dos Correios, é contra a privatização /Foto: Assessoria
Outra questão delicada das mudanças dentro dos Correios é a privatização. Edson Pinheiro e os grevistas não acreditam que privatizar irá trazer melhorias – pelo contrário: irá priorizar o lucro ao invés do bem-estar dos servidores e do atendimento de qualidade à população.
“Essa privatização irá prejudicar, principalmente, os funcionários e habitantes dos municípios menos favorecidos pela distância, como Santa Rosa do Purus e Marechal Thaumaturgo. Com a privatização, as agências terão que ser centralizadas e reduzidas, ou seja, os habitantes dessas cidades teriam que se descolar até os postos de Correios mais próximos, que, nesse caso, seria em Cruzeiro do Sul”, disse Edson.
A proposta foi rejeitada pelo sindicato e os trabalhadores que participaram da assembleia. Agora o Sintect-AC aguarda uma nova convocação da empresa para outra negociação, com previsão de nova assembleia na próxima terça-feira (9).