Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Sergio Moro ouvirá Sibá Machado na próxima semana, informa Revista Época


O juiz federal Sergio Moro ouvirá na próxima terça-feira (8) o secretário de Desenvolvimento Florestal do Acre e ex-líder do PT na Câmara dos Deputados, Sibá Machado. A audiência está relacionada à investigação sobre desvios na licitação para a reforma do Cenpes, centro de pesquisa da Petrobras. O processo é resultado da 31ª etapa da Lava Jato, denominada Operação Abismo. A informação é da revista Época.
À reportagem de ac24horas, Sibá Machado confirmou que foi notificado para depor. “A notificação chegou em agosto perguntando se eu aceitaria fazer um depoimento. Eu não posso dizer o que ele vai perguntar. O que ele quer saber de mim eu não sei. Acho que eu vou falar por vídeo conferência. Mas ainda vou ver na segunda-feira se ele ainda tem interesse”
Não é a primeira vez que Sibá será ouvido no âmbito do processo da Lava Jato. Em depoimento ao juiz Sérgio Moro em julho de 2015, quando ainda era deputado federal, líder do então governo Dilma Rousseff, o petista, informou, ao ser indagado pelo magistrado, que não teve contato próximo com o ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto, acusado de intermediar repasses de empreiteiras contratadas pela Petrobras para os caixas do PT. Arrolado como testemunha de defesa por Vaccari, o deputado foi ouvido por videoconferência e se limitou a dizer que seus contatos com ele foram sempre triviais, em reuniões oficiais do partido. Disse que a imagem que tinha de Vaccari era de homem sério, honesto e firme em suas posições.
Em 2015, reportagem do jornal O Estado de São Paulo, com base em um relatório da Polícia Federal, informou que Sibá Machado almoçou com o almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, ex-presidente da Eletronuclear em um tradicional restaurante no Rio, em 3 de julho daquele ano – 25 dias antes de o militar ser preso por ordem da Justiça Federal. Na ocasião, Othon Luiz estava licenciado da estatal por suspeita de recebimento de propina sobre contratos das obras da Usina de Angra 3. Ele foi capturado na Operação Radioatividade, desdobramento da Lava Jato, em 28 de julho do ano passado.
 Luciano Tavares, da redação ac24horas