Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Oposição dá os primeiros passos para unificar as ações; PSDB começa a se reinventar

O ex-deputado Marcio Bittar revelou nesta quarta-feira (18) por intermédio das redes sociais ter procurado o deputado estadual Luiz Gonzaga para iniciar um processo de reaproximação e unificação do PSDB. Marcio prometeu ainda ter a intenção de procurar o presidente regional do partido, o deputado federal Major Rocha, para um processo de pacificação interna da legenda.
O encontro teve lugar na sede regional do PSDB e ocorreu na terça-feira (11) e durou cerca de duas horas. Estiveram presentes também o secretário-geral, Pedro “Correinha” Neto, o líder partidário e fundador da legenda no Acre, Alberto Furtado, e Edson Bittar.
Em sua página no Facebook, Marcio Bittar comentou que o PSDB nacional teve grande vitória no primeiro turno e isso será ampliado no segundo, tendo sido o partido que mais cresceu no país.
“No Acre é preciso restabelecer o diálogo. Estive com o deputado Luiz Gonzaga e vou procurar o deputado Rocha lá em Brasília. Vamos acertar os ponteiros e azeitar a máquina partidária, pois nosso dever é para com o Brasil e com o Acre. Feliz dia das crianças e de Nossa Senhora Aparecida”, postou.
Major Rocha foi avisado da reunião
O deputado estadual Luiz Gonzaga, vice-presidente do PSDB no Acre, revelou que o encontro era de conhecimento do presidente regional, Major Rocha. Para o Gonzaga, é preciso discutir o momento e rever alguns conceitos, preparando o partido e os seus líderes para o novo momento.
“A ideia é afinar o discurso dentro do partido. Por isso não houve qualquer problema na conversa. Afinal, os dois lados cometeram erros de estratégia e admitiram. Por isso estamos aparando as arestas e nos preparando para trabalhar fortalecidos”, disse Gonzaga.
PSDB foi o partido que mais encolheu no Acre em 2016
Partido favorito nas últimas eleições estaduais e municipais nas principais praças do Acre, o PSDB viu sua força minguar em todas as frentes. Líderes como Bocalom e Marcio Bittar foram para outros partidos ou divergiram da linha adotada pelo atual presidente.
O resultado da desunião partidária foi a perda de quatro prefeituras e ter a bancada de vereadores drasticamente reduzida em todos os municípios, inclusive na Capital. Em Rio Branco foi rebaixado de protagonista para último colocado.