Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Tião Bocalom não vê problemas em mais de uma candidatura a prefeito de Rio Branco, na oposição

O presidente da executiva estadual do DEM, pré-candidato a prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, um dos principais nomes da oposição no Acre, disse na manhã desta quarta-feira, 20, ao ser indagado por ac24horas, que nunca foi empecilho para a unidade oposicionista, mas pondera que é a favor de mais de uma candidatura por considerar que “numa luta contra um gigante é necessário ter mais de um lutador”. Ele se refere ao embate contra o petista Marcus Viana, alimentado pela máquina da FPA.
“Eu sempre defendi mais de uma candidatura nessa eleição. Porque pra você lutar contra um gingante você precisa ter mais de um lutador. Mas eu tenho dito para deixarem os partidos discutirem, para tomarem suas decisões. Eu tenho visto falarem em unidade, unidade, mas não sei até onde vai essa unidade quando a gente vê cada um puxando pro lado. Acho que é uma questão de aguardar mais um tempo pra ver se vai ou não vai dar unidade. Eu não defendo nem que sim e nem que não. Vou esperar o que a maioria vai decidir.”
Bocalom não descarta retirar seu nome da disputa. Essa decisão deve ser tomada ainda esta semana durante uma conversa com o senador Sérgio Petecão (PSD) e o deputado federal Alan Rick (PRB). O ex-prefeito de Acrelândia deve impor exigências para, possivelmente, desistir da candidatura.
“Nós estamos ainda neste momento mantendo a candidatura e aguardando uma conversa que vamos ter tanto com o Petecão como com o Alan pra gente ver qual será o melhor caminho”, acrescenta.
No começo da semana, o jornalista Luis Carlos Moreira Jorge, do Blog do Crica, informou sobre uma articulação nos bastidores da oposição, comandada pelo senador Sérgio Petecão, em que o ex-deputado federal Márcio Bittar, do PSDB, se tornaria vice de Eliane Sinhasique, a pré-candidata do PMDB à PMRB. Major Rocha se manifestou em seguida dizendo que concordaria com a aliança, mas desde que Antônia Lúcia, do PR, participasse do processo e que o PMDB discutisse alianças no interior, incluindo Cruzeiro do Sul.  Luciano Tavares, da redação ac24horas