Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Projeto que reduz salários de Sebastião e cargos comissionados tem validade até dezembro

O Projeto de lei Complementar que reduz os salários do governador Sebastião Viana (PT), da vice-governadora Nazaré Araújo (PT), secretários, diretores e servidores que ocupam cargos de confiança na estrutura do governo do Acre, que terá validade até o final do mês de dezembro deste ano foi aprovado por unanimidade, em votação no plenário da Aleac na manhã desta quarta-feira (6).

Apesar de votar pela aprovação da matéria, a deputada Eliane Sinhasique (PMDB) acredita que o governo também deveria reduzir gastos em outras áreas, dando como exemplo a verba de mídia que estaria em torno de R$ 15 milhões ano. “O governo deveria fazer gastos na verba de mídia. Não será apenas o corte de 20% que vai reforçar o caixa do governo do Acre para executar outros projetos”.

O líder do governo, Daniel Zen (PT) disse que o projeto é “uma medida de austeridade que vai vigorar até dezembro deste ano. Esta medida não veio sozinha, ela veio com a redução do aluguel de imóveis que estaria em torno de R$ 3 milhões ano. Foi também reduzido, gradativamente, em 30% o quadro de terceirizados desde o ano passado”, destaca o líder de Sebastião Viana.

Segundo o petista, “o Estado perdeu mais de R$ 300 milhões no acumulado de 2014/2015. A folha salarial é R$ 201 milhões por mês, a economia com a redução representa R$ 6 milhões pro mês na folha dos gestores públicos. Pode não representar impacto significativo, mas é uma medida de solidariedade do governador e de sua vice com os demais servidores públicos”, destaca.

O progressista Gerlen Diniz refirmou o voto favorável ao projeto, mas fez uma observação. “Embora enxergue um caráter eleitoreiro por trás, já que a medida vai vigorar apenas até o dia 31 de dezembro, devo lembrar que vivemos em um estado que vive de repasses federais que não conseguiu se desenvolver, apesar de todas as propostas que foram propagandeadas”.
Ray Melo, da editoria de política do ac24horas