Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Desespero e comoção marcam sepultamento de jovem atingindo por tiro dentro de boate em Rio Branco

O velório e enterro do corpo do estudante de odontologia Rafael Frota (26) foram marcados por momento de dor, sofrimento, angústia e inconformismo. As imagens que se viam durante a despedida eram de comoção de todos os presentes. O desespero da mãe, Neide Chaves Frota, pedindo para o filho não deixá-la, mostrava o abalo incontrolável dos parentes do jovem.
O irmão mais velho de Rafael, Thiago Frota, que estava em outro estado, chegou no momento em que o corpo se deslocava até o cemitério Jardim da Saudade. Abraçando toda a família e visivelmente inconformado com a perda do irmão, tentou encontrar nos braços de familiares o conforto para  diminuir a dor da perda.
O pai disse que no velório entendeu como o filho era querido pelos amigos, colegas e familiares. “É uma dor muito grande que somente a gente consegue entender. Meu filho era muito querido e percebei isso somente em seu velório”, disse Gutemberg Lopes Frota.
Durante o velório chegavam amigos de todas as classes sociais da capital e interior para dar o último adeus ao estudante e deixar os sentimentos de solidariedade à família. Amigas próximas de Rafael não se contiveram ao ver o corpo no caixão. “Para nós,  é muito forte saber que ele não vai estar mais na faculdade com a gente. Dói muito, pois éramos próximos e sempre estivemos perto dele e ele de nós, isso o tempo todo”, comentou uma amiga que estudava odontologia na mesma sala de Rafael.
No enterro, o sofrimento da mãe do jovem  criou um ambiente de muita comoção. Quando tiraram o corpo do carro da funerária e levavam ao túmulo, Neide se desesperou e pedia para que seu filho não a deixasse.  “Não me deixa meu filho. Meu Deus, fica comigo, Rafael”, disse em desespero Neide Chaves.

Uma multidão acompanhou o enterro de Rafael até as primeiras horas da noite deste domingo (3). O clima de tristeza atingiu muitas pessoas, que durante o sábado (2) e domingo prestavam solidariedade pelas redes sociais à família e por meio de parentes próximos da família.