Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Como nos velhos tempos, PP e PSDB selam alianças nas cidades do interior do Acre

A aliança selada pelo PP e o PSDB no município de Porto Acre, ontem (2) na Chácara Tavares, cidade sede, protagonizada pelo senador Gladson Cameli (PP) e o presidente do ITV, Marcio Bittar, pode ser um marco na relação das siglas que caminhavam meio distante. Cameli e Bittar não apensas sentaram na mesma mesa, trocaram afagos e fizeram discursos afinados visando 2016, com ensaios para 2018.

_ Eu não tenho dúvida de que o senador Gladson Cameli é a grande nome da oposição para 2018”, disse Bittar.

_ O Marcio Bittar vai compor uma das vagas na chapa majoritária da oposição em 2018”, respondeu Cameli.

O cenário histórico da cidade que tem as marcas da revolução acreana parece ter sido perfeito para lançar novas energias na relação de Bittar e Gladson Cameli machucada por declarações nas redes sociais que a partir do evento, parecem ser apenas sobras insignificantes das eleições 2014.

Bom para as pré-candidaturas de Daniel Nogueira (PP) e o vereador Barãozinho (PSDB) que encabeçam a chapa majoritária nas eleições municipais da região. No encontro que reuniu lideranças de sete projetos de assentamentos e cinco regionais foram apresentados os pré-candidatos a vereador na coligação que conta ainda com o aval de outra grande liderança, o senador Petecão, do PSD.

O PMDB de Flaviano Melo, que vai formalizar apoio com o PP em Rio Branco nesta segunda-feira (4) é o único calo no calcanhar de Nogueira. Pedro Abílio tem dito que vai seguir carreira solo, prometendo rachar com o sonho de unidade da oposição na terra de Galvez.

“Eu estou pedindo publicamente senador Gladson e meu amigo Marcio Bittar, que vocês conversem e tragam o PMDB para nosso lado. É fundamental o apoio de Pedro Abílio para nosso projeto” apelou Nogueira.

Mas esse foi o único discurso interpelativo, a promessa de alianças entre PP e PSDB para outras cidades do interior do Acre parece ter afastado de vez a crise entre as siglas. “Fumaram o cachimbo da paz” disse José Bestene ao se referir a Gladson Cameli e Marcio Bittar.