Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Servidora do Huerb é acusada pelo próprio filho de espancar sobrinha com fio elétrico

O trabalhador Fabrício de Souza, 36 anos, denunciou na manhã desta sexta-feira (6), na Delegacia 4ª Regional, a sua própria mãe, a técnica de enfermagem Socorro Ribeiro, 55 anos, que é acusada de ter espancado sua sobrinha de apenas 13 anos de idade.

Fabrício relata que o fato já aconteceu por diversas vezes, mas que só tomou conhecimento agora depois de ver os hematomas na criança. Segundo ele, a menina reclamava de fortes dores pelo corpo. Socorro Ribeiro é funcionária do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb).

O denunciante diz querer que sua mãe pague pelos crimes de espancamento cometido contra a criança. “Uma criança não pode apanhar com fio elétrico, e uma agressão covarde dessas não pode ficar impune desse jeito”, disse.

Segundo a menor A.V.S, de 13 anos, sua tia de criação lhe espancou por ter ido à casa de sua amiga após a escola. Ela disse que a mulher havia se irritado por não ter chegado na hora que sempre costumava chegar ao sair do colégio. A menina afirma que, por esse motivo, a técnica de enfermagem lhe espancou usando um fio elétrico, deixando vários hematomas pelo corpo.
Fabrício esteve na delegacia onde registrou um boletim de ocorrência. Em seguida foram encaminhados para o Instituo Médico Legal onde realizaram o exame de corpo de delito para comprovar as agressões.

O resultado do exame confirmou a agressão e constatou hematomas na coxa direita, costas e ombro esquerdo. A.V.S. se encontra na casa de Fabrício até que as autoridades responsáveis pela defesa dos direitos das crianças possam se manifestar.


Procurada pela reportagem da ContilNet, Socorro se defende e diz que a denúncia do filho não procede. Ela conta que a menor saiu cedo para ir à escola e teria pegado dinheiro da sua carteira sem pedir permissão. Socorro afirma que ao voltar da escola a sobrinha estava ferida e com vários hematomas pelo corpo.
Por Contilnet