Geral

[Geral][bleft]

Política

[Política][bsummary]

Polícia

[Polícia][bleft]

Publicidade

Prefeito Jonas Dales, deve criar sala de controle para combater Aedes aegypti

O Ministério Público Estadual do Acre (MP-AC), através da Comarca de Acrelândia, cidade distante a 105 km de Rio Branco, recomendou que o prefeito do município, Jonas Dales, crie uma sala de coordenação e controle para o combate do mosquito Aedes aegypti, causador da dengue, zikas vírus e febre chikungunya.
A recomendação foi publicada no Diário Oficial do Estado na manhã desta segunda-feira (29) e o prefeito tem até cinco dias para decidir se deve acatar o pedido do MP-AC.
Ao G1, o prefeito de Acrelândia, Jonas Dale, disse que ainda não recebeu o documento de recomendação, mas que a criação da sala já era uma medida tratada pelo órgão. Ele ressalta ainda que em breve a recomendação será materializada.
"Vamos criar a sala para tratar dessa situação. Me reuni com uma equipe da Saúde na semana passada e foi debatido sobre a sala de coordenação e controle", diz o prefeito.
Apesar do pedido, o promotor diz que não existem casos de suspeitas das doenças na cidade. Ele explica ainda que a ação deve contar com a participação da Secretaria de Saúde da cidade, além do próprio MP-AC e da Prefeitura.
"Elaboramos essa recomendação para debatermos sobre as medidas efetivas, o que vamos fazer, ver o número de casos, tudo para controlar a situação e evitar que fuja do controle. Nos próximos dias nós vamos sentar e conversar melhor", esclareceu o promotor e Justiça Teotônio Rodrigues, responsável pela medida.
O prefeito diz que a situação está sob controle na cidade e as equipes estão nos bairros ajudando no combate ao mosquito Aedes."A situação está tranquila aqui na cidade. Os trabalhos de prevenção já se iniciaram no começo do mês, na sexta nos fizemos um arrastão na cidade e estamos com nossas equipes nos bairros", conclui Dale.
Criação de sala
O Ministério Público Estadual do Acre (MP-AC) deve montar uma sala de coordenação e controle para o combate do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.
A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado na quinta-feira (25). A sala deve monitorar e supervisionar, além de intensificar as ações de combate nos municípios do Acre.